i feel infinite
“Talvez o problema seja eu. Talvez eu espere demais das pessoas. Talvez eu queira muito. Talvez o problema seja meu. Onde estão os valores? Onde foi parar o conceito de certo e errado? Onde está o coração das pessoas? Sim, eu sei que ele fica do lado esquerdo do peito. Mas tem muita gente com o coração oco. Ou cheio de porcaria.”
Clarissa Corrêa
E tem dias que é assim mesmo. Eu não quero graça, conversa, brincadeira. Quero ficar no meu mundo imaginário, erguer os muros e riscar os limites. Mas ainda assim, tem pessoas que se atrevem a atravessar essas barreiras. E o pior de tudo, se surpreendem com a minha reação agressiva. Você chama de ignorância, eu chamo de auto-defesa.”
Allax Garcia.    (via acrescentada)
Você vai me ver com outros olhos, ou com os olhos dos outros?”
Paulo Leminski.    (via acrescentada)
Viva hoje, pois o ontem já se foi, e o amanhã talvez não venha.”
Eduardo Oliveira (via identificando)
Quem dera chovessem palavras, pro mundo ficar encharcado de poesias.”
Renascendo. (via identificando)
Quem aceita todos seus defeitos, merece todas suas qualidades.”
Renascendo. (via identificando)
Que roupa você veste, que anéis? Por quem você se troca? Que bicho feroz são seus cabelos, que à noite você solta? De que é que você brinca? Que horas você volta? Seu beijo nos meus olhos, seus pés, que o chão sequer não tocam. A seda a roçar no quarto escuro, e a réstia sob a porta. Onde é que você some? Que horas você volta? Quem é essa voz? Que assombração seu corpo carrega? Terá um capuz? Será o ladrão? Que horas você chega? Me sopre novamente as canções, com que você me engana. Que blusa você, com o seu cheiro, deixou na minha cama? Você, quando não dorme, quem é que você chama? Pra quem você tem olhos azuis, e com as manhãs remoça. E à noite, pra quem você é uma luz debaixo da porta? No sonho de quem você vai e vem, com os cabelos que você solta? Que horas, me diga que horas, me diga, que horas você volta?”
Chico Buarque.  (via acrescentada)
Deixa assim, eu me viro bem sozinho. Quer dizer, eu me viro sozinho.”
Gabito Nunes.    (via cambaleei)